Você é uma Pessoa Resiliente?

resiliencia

Resiliência é um conceito que vem da física e se refere à capacidade que alguns materiais têm de acumular energia quando submetidos à pressão e, depois de absorver o impacto, voltar ao estado original sem deformação, como se fosse um elástico (Nash, 1982).

No comportamento humano, a resiliência é tida como a habilidade de superar adversidades sem ser afetado por elas de forma negativa ou permanente. Em outras palavras, uma pessoa resiliente é aquela que:

  • tem energia e disposição para enfrentar dificuldades em vez de se deixar abater;
  • é capaz de atuar com competência mesmo sob forte pressão;
  • antecipa crises, prevê obstáculos e se prepara para lidar com eles;
  • tem atitudes positivas, porém realistas, e firmeza de objetivos;
  • recupera-se mais rapidamente após sofrer revezes e não muda sua essência depois de passar por experiências difíceis.

Essas são algumas das características da resiliência. Desenvolvê-las é fundamental para enfrentar os desafios pessoais e profissionais, num cenário marcado por pressão por resultados, mudanças e crises constantes. Quanto mais resiliente for o profissional maior será a sua capacidade de encontrar satisfação e de manter ou aumentar seu bem-estar.

A resiliência é importante não só para o executivo, já que profissionais que aliam competência e resiliência são muito mais procurados e valorizados no mercado de trabalho, mas também para o próprio negócio em que atuam. A capacidade de prever riscos e administrar crises de modo a evitar danos permanentes para a empresa caracterizam uma organização Resiliente.

Veja a diferença

Organização Resiliente

  • responde de modo rápido e eficaz a imprevistos, crises e fatalidades;
  • avalia riscos e oportunidades de modo ético e realista;
  • :possui um plano bem estruturado para lidar com contingências, e também com a opinião pública e imprensa, em períodos de crise;
  • possui missão, visão e valores sólidos, compartilhados por todos os funcionários, sendo, por isso, capaz de manter o moral e a união em momentos difíceis

Organização não Resiliente

  • sua reação é lenta, desorganizada e pode provocar resultados opostos ao esperado;
  • corre riscos demais ou prefere não correr riscos – o que acarreta perda de oportunidades – e a ética nem sempre é considerada;
  • não mantém plano de contingências e quando o possui é antigo ou desatualizado, e ninguém na empresa sabe como implementar;
  • não possui missão, visão e valores ou, se os possui, eles exercem um papel meramente decorativo ou burocrático, o que faz com que a união e o moral dos funcionários desmoronem em momentos de crise

A resiliência vem de berço ou pode ser aprendida?

resiliencia-2

Algumas pessoas são mais, outras menos, mas todas têm algum grau de resiliência e podem aprender a desenvolve-lo. Em artigo para a Harvard Business Review,de 2002, Diane Coutu, especialista em desenvolvimento organizacional e liderança, afirma que há cada vez mais evidências de que a resiliência pode ser aprendida.

Segundo Diane Coutu, as pessoas resilientes apresentam três características principais

1 – Aceitação da realidade

Pessoas resilientes não são conformistas nem acomodadas, mas possuem um profundo senso de realidade. Podem, sim, ser otimistas, mas mantém sempre os pés plantados no chão.

2 – Crença inabalável no sentido da vida

Uma característica fundamental da resiliência é acreditar no sentido da vida – mesmo em situações em que a maioria das pessoas é levada a questionar isso. No livro “Em Busca do Sentido”, o psiquiatra austríaco Victor E.Frank (2009), que foi um sobrevivente do Holocausto, afirma que é o propósito que dá sentido e significado à nossa existência.

Assim, pessoas resilientes sabem claramente quais são esses valores e propósitos e buscam viver em harmonia e congruência com eles

3 – Capacidade de improvisar

Indivíduos resilientes são mestres na improvisação. Eles possuem a rara habilidade de tirar o máximo proveito dos recursos disponíveis e de responder com rapidez e criatividade a todo o tipo de desafio.

Com base no trabalho do antropólogo francês Claude Lévi-Strauss, os psicólogos passaram a chamar essa habilidade de “bricolagem”, que significa usar a inventividade para buscar soluções mesmo na inexistência de caminhos óbvios ou de ferramentas adequadas.

A importância das emoções positivas

resiliencia-3

Como ressalta Stephen R.Covey, em seu best-seller “Os 7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes”, mesmo que determinadas emoções possam ser ativadas por fatores externos, o modo de lidar com elas e de expressá-las é de responsabilidade de cada um de nós. Assim, o modo ativo ou reativo de lidar com emoções pode aumentar ou diminuir o nível de resiliência.

Uma pessoa ativa é aquela que está no controle de sua vida. Ela pode sentir raiva, frustração, ou irritação, mas não permite que essas emoções ditem o seu comportamento,

Já as pessoas reativas  reagem imediatamente aos estímulos externos, sem parar para pensar e sem medir as consequências, alegando que agiram dessa ou daquela forma por causa do chefe, da pressão do trabalho, da falta de colaboração dos colegas , e assim por diante.

Atitudes para Elevar a Resiliência

A resiliência envolve mentalidade, comportamento e ações que podem ser aprendidas e desenvolvidas. Veja algumas delas:

  • resiliência não é rejeitar ou ignorar as emoções negativas, mas apenas não permitir que elas nos controlem;
  • mantenha o foco no futuro, olhe para a frente e não se prenda ao passado;
  • mantenha-se motivado. Quem luta por seus sonhos e objetivos não tem tempo para chorar mágoas;
  • invista nos relacionamentos que sejam uma fonte de apoio e de encorajamento;
  • mude o hábito de colocar defeito nas coisas e de ver apenas o lado negativo das pessoas;
  • desafie o habito de ter uma opinião formada sobre tudo;
  • redescubra as coisas que lhe dão prazer. Fique atento ás suas necessidades, cuidando da mente, do corpo e da saúde;
  • fique atento às necessidades dos outros. Contribuição e compaixão aumentam a resiliência

 

Referências:

COUTU, D (2009) – How resilience Works. Harvard Business Review;

FREDRICKSON, B.L.(2000) – Cultivating positive emotions to optimize health and well being

 

 

 

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s