A Única Coisa: O Foco pode Trazer Resultados Extraordinários

The One Thing

 

 

Qual a única coisa que, se for feita, tornará todas as outras mais fáceis e até desnecessárias” – Gary Keller

Esse é o mote e tema central do livro “One Thing”, que no Brasil recebeu o título de “A única coisa”, de Gary Keller, em coautoria com Jay Papasan. best-seller internacional e amplamente reconhecido como um dos melhores livros já escritos na área de auto desenvolvimento e produtividade.

Principais tópicos

O efeito dominó

O autor faz uma analogia entre o poder de propulsão que tem as pedras do dominó e o efeito multiplicador que focar na coisa mais importante, ou a única coisa, pode representar em termos de alavancagem em relação ás demais áreas de nossa vida

Com uma diferença de 50% de tamanho de um para outro, um dominó de 0,5 cm pode derrubar todos os outros que, se enfileirados, podem alcançar, em progressão geométrica, a altura da Torre de Pisa (18ª.pedra), a Torre Eiffel (23ª), o Monte Everest (31ª),  e a de número 57 provavelmente cobriria a distância entre a Terra e a Lua.

Assim, segundo Keller, para alcançarmos o sucesso, temos que mirar para a lua, e colocar toda a nossa energia na realização da coisa mais importante, que equivaleria no caso, á primeira pedra do dominó.

“ Quem corre atrás de dois coelhos, termina sem pegar nenhum” – provérbio indiano.

As seis mentiras sobre o sucesso

1 – Todas as coisas têm igual importância;

2 – O mito da multitarefa;

3 – O mito da autodisciplina.

4 – a força de vontade é permanente;

5 – Uma vida balanceada;

6 – Pensar grande é ruim

“ As coisas  mais importantes não podem ficar a mercê das coisas menos importantes” – Johann Wolfang Von Goethe.

Tratar as coisas igualmente, de forma equânime, é um nobre ideal que buscamos em nome da justiça e dos direitos humanos. No mundo real de resultados, contudo, as coisas nunca são iguais, e entender isso é a base das grandes decisões. Quando tudo parece urgente e importante, tudo se torna igual. Podemos nos manter ativos e ocupados, mas muito distantes da realização e do sucesso.

Como disse Henrique David Thoreau “manter-se ocupado não é suficiente; as formigas o são. A questão é saber em que estamos nos ocupando”. Realizar um monte de tarefas que estão relacionadas em sua lista de afazeres é uma alternativa ruim entre fazermos uma única tarefa que seja a mais importante. Assim, o autor defende que, em vez de uma lista de tarefas, tenhamos uma lista de sucessos, propositadamente criada e direcionada para a obtenção de resultados.

Para isso, devemos restringir ainda mais o que chamamos de Lei 80/20, ou Principio de Pareto, que diz que uma minoria de causas, inputs ou esforços produzem a maioria dos resultados ou recompensas. Keller vai mais longe e defende que, uma vez identificadas as tarefas que geram  mais resultados, devemos estreitá-las ainda mais, buscando os 20% dos 20%,  e assim sucessivamente, até chegarmos á atvidade mais importante.

2 – O mito da multitarefa

O mito da multitarefa, ou de fazer duas ou mais coisas simultaneamente, se tornou tão disseminado que muitos sites de carreira na web ainda a apontam como uma habilidade das pessoas mais produtivas. A verdade, porém, é que quando você faz duas coisas ao mesmo tempo não irá fazer bem nenhuma delas. O conceito de multitarefa só chegou ao mundo corporativo no inicio dos anos 60 e era usado para descrever computadores e não pessoas.

Pesquisadores estimam que no trabalho as pessoas sejam interrompidas em média a cada 11 minutos e levam cerca de um terço do dia para retomar o foco e se recuperar dessas distrações. Assim, quanto mais você alternar de uma tarefa para outra, mais difícil será retornar á tarefa original.

3 – O mito da autodisciplina

Segundo o escritor Leo Babauta, um dos mitos mais prevalecentes em nossa cultura é o da autodisciplina. A verdade, porém, é que não precisamos de mais disciplina do que a que já temos. O que precisamos é direcioná-la e administra-la de uma forma melhor. Segundo o autor, ao contrário do que muitos supõem, sucesso não é uma maratona de ações disciplinadas, onde cada ação é treinada e o controle é a solução para cada situação.

Sucesso é, na realidade, uma sequencia de pequenos passos, uma corrida curta, que dure o suficiente para a formação e consolidação de um novo habito. Quando sabemos que alguma coisa precisa ser feita, mas não está sendo feita, costumamos dizer: “O que eu preciso é de mais autodisciplina”, quando, na realidade, tudo que precisamos é da disciplina para formar o hábito.

Assim, você não precisa ser uma pessoa disciplinada para alcançar o sucesso. Na verdade, pode obter o sucesso com menos disciplina do que imagina, por uma razão muito simples: sucesso é fazer a coisa certa e não fazer tudo de forma certa. O sucesso, portanto, reside em escolher o hábito correto e ter a disciplina necessária para construí-lo.

4 – A força de vontade é permanente

Imagine a força de vontade como a bateria de seu celular que, no inicio do dia, está plenamente carregada, e vai acabando com o decorrer do tempo. A força de vontade tem uma bateria limitada, mas, assim como o celular, pode ser recarregada. E é como um músculo que precisa ser exercitado, mas também precisa de descanso.

Assim, como todos nós dispomos de uma reserva limitada de força de vontade, decida qual a coisa mais importante a ser feita e reserve o seu período de maior energia física para executá-la.

5 – Uma vida balanceada

O mito de uma vida balanceada é um conceito em que muitos aceitam como verdadeiro e como uma meta a ser atingida, sem analisar mais detidamente o que isso significa. Para o autor, a ideia de uma vida balanceada é apenas isso – uma ideia, uma grande ideia, mas não uma ideia prática; uma ideia idealista, mas não realista. Uma vida balanceada simplesmente não existe.

Propósito e significado de vida é tudo em que se resume uma vida de sucesso. Busque descobri-los e você com certeza terá uma vida balanceada. Resultados extraordinários exigem tempo e atenção focada e isso significa fazer uma coisa em detrimento de outra – o que torna o balanceamento impossível.

O termo “balanço vida-trabalho” só apareceu a partir dos anos 80, quando mais da metade de mulheres casadas ingressaram na força de trabalho e, como citado no livro do mesmo título, de Ralph E.Gomory, saímos de uma situação em que havia um provedor e a dona da casa, para a situação posterior, onde marido e mulher passaram a trabalhar fora.

O autor afirma que, em vez de uma vida balanceada – no sentido de ficar no centro de um círculo, sem mirar os extremos, onde as coisas extraordinárias acontecem – devemos buscar uma vida contrabalanceada, e priorizarmos as coisas mais importantes tanto em nossa vida pessoal quanto profissional.

5 – Pensar grande é ruim

A história do “Big Bad Wolf” (O Lobo Mau) ajudou a popularizar a crença de que grande e ruim são coisas semelhantes e que costumam vir juntas, mas elas não guardam nenhuma relação. Uma grande oportunidade é melhor do que uma pequena, mas um pequeno problema é melhor do que um grande.

Por isso, pense grande e evite perguntar simplesmente“ o que vou fazer agora”? Faça perguntas poderosas e desafiadoras. Se sua meta é 10, pergunte-se: como posso chegar a 20? Defina uma meta maior do que a que você quer e terá construído os alicerces de um plano de ação que te levará á realização da meta original.

Não tema o fracasso e o encare como parte de uma jornada que o levará ao sucesso.

Resultados extraordinários não são construídos somente de sucesso, mas também de fracassos. Quando erramos temos a oportunidade de parar e refletir no que deu errado e nos perguntar o  que temos de fazer para alcançar melhores resultados. Encare o insucesso como uma forma de aprendizado e continue lutando e utilizando todo o seu potencial.

Os quatro “ladrões” da produtividade.

1 – Inabilidade de dizer “não”

Quando você disser sim para alguma coisa, é imperativo que você saiba para o que está dizendo não. A arte de dizer sim é, por padrão, a arte de dizer não. Dizer sim para todo mundo é o mesmo que dizer sim para nada. Cada obrigação que você assume diminui a sua eficácia em tudo que tenta fazer. Assim, quanto mais coisas você faz, menor será a sua possibilidade de ser bem sucedido em cada uma delas. Quando você tenta agradar a todo mundo, a única pessoa a quem você não conseguirá agradar é a você próprio.

2 – Medo do caos

Focar em uma única coisa tem uma consequência inevitável – outras coisas não serão feitas. Com isso é possível que você se sinta pressionado a fazer coisas que não são prioritárias. É importante que você encare e aceita essa situação, sem procurar lutar contra ela, ou seja, acostume-se a esses problemas e tente superá-los, mantendo-se fiel a sua agenda.

Todos nós temos parentes e amigos que, numa situação difícil, pedem nossa ajuda e nossa atenção. Procure ajudá-los e ser solidário, mas sem desviar-se do seu foco principal e das suas próprias prioridades.

3 – Hábitos de saúde não saudáveis

A falta de cuidados e de controle com a nossa saúde e energia pessoal é seguramente o ladrão silencioso da produtividade. A questão óbvia, mas muitas vezes ignorada,  é que alto desempenho e resultados extraordinários exigem saúde e energia física – o problema é aprender como obtê-las e conservá-las.

O autor sugere algumas atividades matinais adotadas por pessoas altamente produtividade:

·         Praticar a meditação ou fazer uma prece para desenvolver a energia espiritual;

·         Fazer uma refeição saudável, fazer exercícios físicos e dormir o suficiente para acordar com boa disposição;

·         Abraçar, beijar e rir com as suas pessoas queridas para incrementar a energia emocional;

·         Planejar as metas e atividades do dia, bloqueando tempo para a sua atividade mais importante.

4 – O seu ambiente não dá suporte ás suas metas

O seu ambiente é simplesmente o que você vê e o que você vivencia no dia a dia,  e isso inclui não só o ambiente físico, mas também as pessoas á sua volta. As pessoas lhe parecem familiares e o ambiente, confortável, mas esteja atento e não considere isso como “favas contadas”. Qualquer pessoa ou qualquer ambiente, em determinado momento, pode transformar-se em um “ladrão de seu tempo” e distrair sua atenção da coisa mais importante.

Ninguém vive em isolamento. A cada dia, ao longo do dia, estamos em contato com outras pessoas e somos influenciados por eles, o que pode ter impactos na atitude, na  saúde e, em última análise, em nosso desempenho. Aqueles com quem convivemos diariamente (amigos, colegas de trabalho, ou familiares) podem exercer uma influência em nossas atitudes muito maior do que imaginamos.

Assim, é importante evitar pessoas cuja negatividade possa afetar os resultados que pretende alcançar e cercar-se daqueles que possam lhe incentivar, dar apoio, e ajudá-lo a atingir as suas metas e objetivos.

Como chegar à “Única Coisa”

The One Thing Dominoes

O autor propõe um exercício para chegarmos á única coisa ou, como na analogia citada, á primeira pedra do dominó. Escreva numa folha de papel e desenvolva o hábito de ler em voz alta as seguintes perguntas:

·         Com base nas minhas metas e objetivos para toda a vida, qual a única coisa que posso fazer nos próximos cinco anos para atingi-las?

·         Baseado nas minhas metas dos próximos cinco anos, qual a única coisa que possa fazer este ano para realizá-las e que estejam alinhadas com as minhas metas e objetivos de vida?

·       Considerando a minha meta anual, o que posso fazer neste semestre para atingi-la?

·         Com base nas minhas metas semestrais, o que posso fazer este mês para realizá-la?

·         Baseado na minha meta mensal, o que posso fazer esta semana?

·         Considerando a minha meta semanal, o que posso fazer hoje?

·         … E o que posso fazer AGORA?

 

Com esse exercício, você estará treinando a sua mente em como pensar e como conectar uma meta com outra ao longo do tempo, até que descubra qual a coisa mais importante a fazer agora mesmo.

Resultados extraordinários se tornam possível quando onde queremos chegar está completamente alinhado com o que fazemos hoje. Descubra o seu propósito, e a clareza do que você quer irá ditar as suas prioridades. A melhor maneira de trabalhar em suas prioridades é marcar um compromisso com você mesmo, bloqueando tempo em sua agenda (o autor sugere não menos do que 40%) para as tarefas mais importantes, e resista a todas as distrações que possam desviar sua atenção.

 

Mas, afinal, como saber qual é a única coisa que devo priorizar em minha vida?

Segundo o autor, por envolver seus valores, propósito e missão de vida, essa é a primeira e única coisa que cabe a você, e só a você, descobrir.

 

 

Anúncios