Organização: A base da produtividade

Organização e produtividade

 

A falta de organização é, sem dúvida, um dos grandes inimigos da produtividade pessoal. Quantas vezes nos vemos procurando papéis que acabamos deixando de lado em alguma gaveta ou outro lugar qualquer? Quantas vezes não conseguimos encontrar um documento deque precisamos urgentemente?  Quantas vezes você olhou para a sua mesa de trabalho e teve a sensação de que um furação havia passado por ali?

Se você nunca se viu numa dessas situações, parabéns. Você é uma exceção. Mas se você é como a maioria das pessoas, talvez a leitura dessas dicas lhe possa ser útil.

Colocar em prática um sistema de organização pessoal nos confere um enorme poder, permitindo que nossa mente se livre das cobranças e foque naquilo que é importante, sem se deixar dispersar por assuntos que não foram tratados de forma adequada.

Para David Allen, criador do conhecido método de produtividade GTD (Getting Things Done, em sua versão original em Inglês) e autor do livro “A Arte de Fazer Acontecer”, ser organizado significa que alguma coisa se encontra em determinado lugar de acordo com o que ela significa para você. Se você decidiu arquivar um item no seu material de referência ou apoio, você é organizado, Se você precisava ser lembrado de dar um telefone e colocou esse lembrete na sua pendência relacionada, você é organizado.

Por mais simples que pareça, esse conceito de organização envolve uma questão muito importante: o que as coisas significam para você. Muitas vezes, as pessoas tentam organizar itens que ainda não foram esclarecidos, quando é preciso identifica-los primeiro para saber exatamente o que fazer com eles.

DESCARREGAR –  O PRIMEIRO PASSO

O que chamamos de “descarregar” consiste em tirar da cabeça qualquer tipo de “coisas a fazer”e coloca-las na agenda ou em qualquer ferramenta de produtividade de sua escolha e com a qual você melhor se adapte e goste de usar (Todoist, Toodledo, Trello, são algumas das mais utilizadas).

Se preferir, e conforme aa sua realidade, você pode separar essas tarefas pendentes em pessoal e profissional, dividindo-as aos meio numa folha de papel. Começando pelo lado pessoal, escreva a tarefa a ser feita de forma bem específica (‘Arrumar a porta da cozinha” em vez de “Arrumar a cozinha”, por exemplo). Depois preencha as tarefas de sua vida profissional, também de forma bem detalhada. Prossiga nesse levantamento até que todas as pendências tenham saído de sua cabeça para o papel.

Se você não consegue se lembrar do que precisa fazer, eis algumas ideias:

  • preparar uma reunião;
  • declaração de Imposto de Renda;
  • reforma da casa;
  • ligar para…..
  • alguma promessa feita a alguém (cônjuge, filhos, mãe, pai, sogros, amigos…)
  • exame de saúde em dia?
  • médico ou dentista?
  • viagem de férias (planejamento: passagem, hotel, passaporte, etc)
  • revisão do carro
  • aniversário de alguém

ORGANIZAÇÃO DE LISTAS E PASTAS

Concluido o levantamento das pendências, tudo o que você de fato precisa são listas e pastas para organizar as ações nas quais precisa se engajar, as quais David Allen recomenda que sejam classificadas em sete categorias principais:

  • Lista de projetos
  • Material de suporte a projetos
  • Acões e informações inseridas no Calendário ou Agenda;
  • Lista de Próximas Ações;
  • Lista Aguardando Reposta
  • Lista Algum Dia/Talvez
  • Material de referência.

Lista, no caso, nada mais é do que a reunião ou agrupamento de itens com características semelhantes, e pode ser uma pasta de arquivo ou recipiente, com os itens escritos numa folha de papel por categoria; uma folha de papel intitulada, preferentemente num recipiente que organize as folhas soltas; ou uma relação de itens registrados num software ou aplicativo de celular.

O fundamental, segundo David Allen, é que as categorias acima elencadas se mantenham bem distintas umas das outras, porque cada uma delas representa um acordo que fizemos com nós mesmos e que deve ser lembrado em determinado dia e no local adequado. Se essas coisas não forem bem delimitadas e começarem a se misturar, muito do valor da organização estará perdido.

O problema é que muitas pessoas costumam arrumar e “organizar” as coisas antes de esclarecerem o que significam e terminam reagrupando pendências ainda indefinidas. Se, por exemplo, você guardar materiais de referência (itens para futura e eventual consulta) junto com pendências que ainda devem ser esclarecidas, seu subconsciente irá rastreá-las no lugar errado. Se você simplesmente incluir na sua lista de tarefas itens que deveriam estar no Calendário porque devem ser feitos em dias determinados, acabará tendo de reavaliar seu sistema de organização o tempo todo.

Listas de Projetos

Na definição do GTD, projeto é tudo aquilo que necessita de mais de uma ação para ser concluído num prazo de até um ano, independentemente de sua natureza (pessoal ou profissional) ou do nível de prioridade que atribuímos a ele. Se algo está ocupando a nossa cabeça e se incluir nessa categoria, deve ser relacionado.

A organização de uma lista de projetos atualizada não é para nos engajarmos nele, mas para acompanharmos a sua evolução através de uma revisão que deve ser feita preferentemente no final da semana. Nós não nos engajamos em projetos e sim nas ações deles decorrentes.

O problema é que as pessoas costumam englobar numa mesma lista itens que representam ações (ligar para marcar consulta com o dentista) e outros que claramente constituem um projeto (apresentação da próxima semana), dai resultando a conhecida procrastinação.

Em resumo, tarefa é uma ação pontual; um projeto é algo que requer mais de uma ação, conforme alguns exemplos abaixo:

Tarefa

  • ligar para a secretária para solicitar documento tal…
  • comprar folhas de papel A4;
  • imprimir boleto da faculdade;
  • revisar relatório de custos;
  • ler artigo para a prova de segunda-feira;
  • limpar mesa do escritório

Projetos

  • planejar próximas férias;
  • preparar apresentação para a reunião de diretoria;
  • aprender Inglês;
  • organizar meu guarda-roupa;
  • contratar novo empregado

 

Materiais de apoio a projetos

Eles representam apenas isso: materiais de apoio e não ações ou lembretes de projetos. São recursos para facilitar a definição e execução dos próximos passos. O que ocorre, porém, é que as pessoas costumam usar pilhas de papel, pastas entulhadas de documentos, ou uma grande quantidade de e-mails ou material digital como lembretes de que têm um projeto e precisam fazer algo a respeito.

Se você se identificou com essa situação, primeiro adicione o projeto a sua Lista de Projetoscomo lembrete de que há um resultado a ser alcançado. Quando chegar a hora de colocar uma ação em prática, reúna o material de apoio de que vai precisar. Se o material contiver planos e descrições mais detalhadas (mapas mentais, registros de brainstorms, etc), talvez seja o caso de mantê-los em local mais próximos e acessíveis.

Lista de Próximas Ações

A lista deve englobar tantos as ações pontuais, que se concluem com a sua execução, quanto ás ligadas a metas e projetos, e representam a primeira ação física necessária para dar andamento ao projeto. Se envolver um projeto, não é necessário que todas as ações já estejam relacionadas, mas é importante que a primeira ação esteja definida. Observe, porém, que “marcar uma reunião”, por exemplo, não define a próxima ação, já que não esclarece como isso será feito. Tente algo como “enviar um e-mail para….. para marcar a próxima reunião”.

Alguns exemplos práticos para deixar essa distinção mais clara

Coisas a fazer                                                                   Próxima ação

Consertar a impressora                                                   Verificar se está no prazo de garantia

Publicar artigo sobre estresse                                        Pesquisar na Internet sobre o assunto

Aprender Inglês                                                                 Definir objetivo do aprendizado

É recomendável também que as listas de ações sejam separadas por contexto, que significa o lugar onde você precisa   estar para que ela aconteça. Você pode criar tantos contextos quanto quiser, de acordo com a sua realidade e conveniência. Costuma-se colocar o símbolo @ antes de cada contexto (Exemplos: @ Casa @ Rua @ Computador, @ Escritório, e assim por diante)

Lista de Aguardando Resposta

Aqui devem estar relacionadas todas as tarefas que você delegou a alguém, com o registro do nome da pessoa e da data em que a tarefa lhe foi atribuída. A melhor forma de fazer isso, mesmo depois de uma conversa pessoal, é através de um e-mail definindo claramente o que precisa ser feito. Destine uma cópia oculta da mensagem para você mesmo e, na chegada á sua caixa de entrada, arraste-a para a pasta acima, para acompanhamento e cobrança.

Lista de Algum Dia/Talvez

Nessa lista, que também poderia ser chamada de Ações Futuras, devem ser incluídos os projetos, metas e objetivos de mais longo prazo que um dia você gostaria de realizar ou atingir, e também os projetos mais concretos sobre os quais você ainda precisa refletir mais a respeito ou nos quais não pôde se engajar no momento, por falta de tempo ou de recursos.

Essa lista é como uma espécie de “estacionamento”, onde ficam as ideias que não podem ser colocadas em prática no momento mas que você não gostaria que caíssem no esquecimento e das quais gostaria de ser lembrado de vez em quando. Alguns exemplos típicos:

  • comprar um veleiro;
  • aprender um novo idioma;
  • fazer um novo curso de pós-graduação;
  • reformar a cozinha;
  • construir uma piscina no quintal;
  • aprender a tocar um instrumento musical;
  • criar uma página na Internet;
  • ter aulas  de dança;
  • correr uma maratona

Essa lista deve ser revisada frequentemente para que você avalie se alguns dos itens já podem ser transformados em projetos ou podem simplesmente ser descartados por não mais despertarem seu interesse.

Material de Referência

Muitas coisas que chegam até você não exigem ação, mas podem conter algum valor de informação para futura consulta. Assim, é importante que possam ser armazenados em papel ou digitalmente para que possam recuperá-los quando necessário.

A falta de um arquivo de referência pode ser um dos grandes obstáculos para a implantação de um sistema organizacional. Se o arquivamento não for fácil e rápido de localizar, você tenderá a acumular material desnecessário em vez de guarda-lo no lugar certo. Assim, é preciso que fique bem delimitada a fronteira entre o que demanda ação e o que é simples fonte de consulta.

Ferramentas e aplicativos úteis

Se você é uma pessoa digital e está familiarizado com as novidades eletrônica, eis algumas  recomendações que podem ser utilizadas para melhorar a organização e produtividade

  • ações com data especifica (Google Calendar)
  • próximas ações (Google Keep, Todoist, Todledo, Trello, Wunderlist)
  • materiais de referência digital (Evernote, OneNote, Google Drive

Qualquer que seja a opção escolhida, é indispensável que se tenha sempre á mão um bloco de anotações ou agenda de bolso para anotar todos os pensamentos e insights que lhe vierem á cabeça e que possam se transformar em projetos ou ações a executar. Essas anotações devem ser processadas diariamente para que lhes seja dado o tratamento adequado, classificando-as em algumas das categoria aqui mencionadas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios

A Mágica da Arrumação de Marie Kondo

marie kondo

 

Depois do extraordinário sucesso do livro que dá título a esse artigo e que a levou a ser considerada uma das 50 pessoas mais influentes no mundo, segundo a revista Time, a japonesa Marie Kondo, especialista em organização, é tema de uma nova série da Netflix, denominada “Ordem na Casa”.

Em oito episódios, a série aborda as técnicas de arrumação de Marie Kondo, em visitas a casais e familiais americanas, todas enfrentando um problema comum: a bagunça em suas casas, decorrente da falta de organização e da resistência em livrar-se da tralha acumulada, o que lhes traz estresse e frustração.

Diferentemente da maioria das pessoas e especialista na área, que cuidam da arrumação por áreas (quarto, sala, cozinha, etc), ela recomenda que isso seja feito por itens, dentro da seguinte ordem:

  • roupas;
  • livros;
  • itens diversos, que ela chama de miscelânea, normalmente localizados na cozinha e em áreas dispersas como garagem, por exemplo;
  • itens de valor sentimental (fotos antigas de entes queridos).

As peças de vestuário devem ser empilhadas num  só lugar e para cada uma delas deve se perguntar se ainda lhe traz alegrias. Se não, as pessoas devem agradecer pelo tempo de utilização e descartá-las para doação ou possível venda.

magica da arrumação marie kondo

 

Caso alguém tenha dificuldade em descobrir se o item ainda desperta alegria, seja por ser uma técnica mais próxima da cultura japonesa, seja pela grande quantidade de coisas acumuladas, Kondo recomenda que se questione se elas ainda estão sendo usadas ou se ainda são úteis no momento atual

Outras dicas úteis

  • as peças de roupas remanescentes devem ser dobradas e guardadas de forma vertical nas gavetas ou recipientes, em vez de serem empilhadas umas em cima das outras. Isso permite que se localize imediatamente o que se procura e que se tenha uma visão imediata do que está guardado;
  • não há necessidade de adquirir gavetas ou caixas adicionais. Todo o material remanescente pode ser acondicionado nos locais já existentes desde que arquivados de acordo com a finalidade (roupas de banho, roupas de baixo, meias, loucas, etc)  e tamanho de cada item;
  • os itens de valor sentimental (fotos antigas e de pessoas já falecidas, por exemplos) são os de mais difícil decisão quanto ao descarte e são os únicos em que a especialista japonesa não interfere com sugestões, deixando-os a critério de cada pessoa.

Aplicabilidade em outras áreas da vida pessoal e profissional

Ao término da consultoria com cada família envolvida, uma conclusão é unânime: a experiência, mais do que resolver um problema de organização doméstica, reforça a auto-estima, promove e estreita a parceria entre os cônjuge e demais familiares (Kondo recomenda que todos se envolvam no trabalho de organização), além de aumentar a motivação para tomar decisões e enfrentar outros problemas pessoais e profissionais.

Afinal, quem tem a disposição e força de vontade para se envolver num problema que se acumulou ao longo do tempo, certamente estará mais encorajado e habilitado para enfrentar desafios maiores, daí porque a série e os livros de Marie Kondo têm obtido tanto sucesso.

A lição de produtividade de Warren Buffett

Warren Buffett

 

Com um patrimônio estimado em 73 bilhões de dólares, Warren Buffett é o segundo homem mais rico dos Estados Unidos e o quarto no mundo. Além de grande investidor, Buffett é conhecido como um grande filantropo, através de suas doações, principalmente para a Fundação Melina e Bill Gates.

É natural, portanto, que sob o ponto de vista financeiro, haja curiosidade em saber como Warren Buffet utiliza seu tempo e o que ele pode ensinar em termos de gestão de tempo e produtividade.

A esse respeito, há uma história retratada por James Clear,  em um dos artigos de seu blog, acerca de uma conversa de Buffet com seu piloto há mais de 10 anos, Mike Flint, que também prestou serviços a vários presidentes norte-americanos.

Em um voo, Warren lhe perguntou sobre quais os sonhos, metas e objetivos que Flint gostaria de realizar nos próximos anos e ao longo da vida, pedindo que fizesse uma lista com 25 deles. Note-se que não é uma tarefa fácil. Relacionar cinco ou dez objetivos não é tão difícil, mas chegar a 25 já é um grande desafio.

Contudo, depois de muita reflexão, Flint entregou a lista com as vinco e cinco metas que gostaria de atingir no futuro. Warren então lhe pediu que marcasse com um círculo quais seriam a cinco metas mais importantes e absolutamente prioritárias.

O piloto reagiu a principio – afinal ali estavam todas as 25 metas solicitadas e todas lhe pareciam igualmente importantes e merecedoras de atenção e esforço na busca pelo seu atingimento. Mas, ainda assim e também depois de muita concentração, entregou a nova lista que lhe foi pedida.

Buffet então lhe perguntou:

–  “E o que você vai fazer com essa cinco metas?”

–  “Vou me dedicar a elas com todo empenho, já a partir de amanhã”- respondeu Flint

– ” E em relação á segunda lista com as 20 outras metas remanescentes?”- insistiu Buffet

–  “Bem, embora não sejam as prioritárias, são também importantes e merecedoras de atenção. Vou me envolver nelas quando tiver disponibilidade de tempo” – esclareceu Flint

–  “Nada disso, Flint” – respondeu Warren, com alguma irritação – “essa lista você deve deixar de lado e evitar se envolver nelas a qualquer custo”

O que Warren Buffet quis deixar claro foi que tudo aquilo que não consideramos prioritário representa apenas uma distração, que nos impede de atingir os objetivos realmente importantes,  e deve ser deixado de lado a qualquer custo.

Como implementar

Essa é uma lição que podemos utilizar em nossa vida diária, seguindo os mesmos passos:

  • relacione 25 ou mais objetivos que pretenda realizar a curto, médio e longo prazo em todas as áreas de sua vida (carreira, negócios, relacionamento, saúde,etc), perguntado-se o que eu quero ser, fazer e ter em relação a cada uma delas no período proposto;
  • circule agora as cinco metas absolutamente prioritárias e concentre-se nelas, não acrescentando nenhuma das outras restantes até que estas estejam concluídas;
  • trace um plano de ação para implementá-las

Na realidade, esse é um plano que não difere muito de tudo o que recomendam os especialistas em gestão de tempo ) – foque no prioritário e esqueça tudo o mais – talvez seja apenas mais incisivo em suas recomendações.

Mas vindo de alguém tão bem sucedido quanto Warren Buffet, é certamente uma lição a ser seguida.

O que é Administração do Tempo, afinal?

Work Life Balance

 

Todos nós gostaríamos de administrar melhor nosso tempo, de conseguir realizar tudo o que desejamos e precisamos fazer, de reduzir o estresse, de fazer mais exercícios -enfim, de fazer muito mais em menos tempo de modo a poder desfrutar da vida e dar mais atenção aos amigos e á família.

Por isso, não por acaso o tema “administração do tempo” desperta tanta atenção, já que todos atribuem ao tempo – ou melhor, á falta dele – a culpa por estarem sempre atarefados e estressados pela quantidade de afazeres e compromissos.

O problema, porém, em relação ás metodologias que se propõem a encarar esse tema é transformar a teoria em prática – ou seja, fazer do tempo um recurso administrável, capaz de proporcionar mais felicidade, saúde, lazer e dinheiro. Será que isso é possível? É mesmo possível “administrar” o tempo?

O que é administração do tempo

Na verdade, o termo administração do tempo soa inadequado, pois não se pode administrar aquilo que não podemos alterar. Lembre-se de que todos têm a mesmo quantidade de tempo para utilizar, já que ele é igual para mim, para você, para o Papa, para o presidente dos Estados Unidos – enfim,  para todo mundo.  A única coisa que podemos gerenciar são os eventos que transcorrem ao longo do tempo – reuniões e outras tarefas profissionais, festas, viagens, lazer, leituras e uma série de outras situações e tarefas. Ou seja, tudo que podemos administrar é o nosso foco e a nossa energia.

Assim, faz mais sentido trocar o termo administração do tempo por administração pessoal, já que tudo que você pode controlar é a si mesmo. Administração pessoal é algo mais complexo do que uma série de dicas, macetes, listas de tarefas, pastas, agendas e softwares e aplicativos de produtividade.

Administração pessoal não significa controlar cada aspecto de sua vida, nem exige que você se transforme numa máquina, sem flexibilidade nem autonomia. Significa ter um propósito, uma paixão, uma visão, um ideal, e o compromisso de ser feliz consigo mesmo, de assumir o controle, de viver seus sonhos com base no que você deseja – enfim, significa fazer a diferença na sua vida.

Conceitos básicos da administração pessoal

Em seu livro “A Tríade do Tempo”, Christian Barbosa, um dos mais conhecidos especialistas em produtividade e gerenciamento do tempo, descreve cinco princípios-chave que podem servir como um guia em todo o processo de aplicação do que costumamos denominar administração do tempo.

1 – Descarregar

Nossa mente é para ter ideias, não para armazená-las – David Allen

Como diz David Allen, criador do consagrado método de produtividade GTD (Getting Things Done), nossa cabeça não foi feita para armazenar nossas prioridades. Por melhor que seja a nossa memória. ela pode falhar e, ainda que não falhe, não consegue administrar todas as nossas demandas.

Entretanto, muitas pessoas começam o dia com a pergunta: “O que eu tenho para fazer hoje”? No carro, a caminho do trabalho, tem inicio uma sequencia mental de se lembrar de tudo que deve ser feito. Ao chegar ao escritório, alguém lembra: “Não esqueça daquele relatório que lhe pedi”, e mais uma tarefa se encaixa na sua cabeça. No final do dia, a pessoa estará assoberbada de compromissos, urgências e prioridades que só serão lembradas na hora em que alguém reclamar que algo não foi feito.

Além disso, a utilização da memória como agenda gera ansiedade, já que, quando não estamos tranquilos quanto ao que temos que fazer, tendemos a nos preocupar com o volume de coisas a serem feitas, o que, a médio prazo, se torna prejudicial á produtividade e extremamente nocivo á saúde. Estudos da Universidade do Sul da Califórnia, divulgado em janeiro de 2008, mostrou que pessoas com altos níveis de ansiedade têm entre 31% a 43% mais chances de sofrer um ataque cardíaco.

Benefícios do princípio de descarregar

O principio de descarregar (que David Allen também chama de “capturar” no GTD) é poderoso por dois motivos. Primeiro, ele permite que você reduza a ansiedade e minimize a tendência das urgências, porque nos dá a segurança de que nossas demandas estarão armazenadas em um local seguro, o qual podemos acessar a qualquer momento. Em segundo lugar, é a única forma de começar a criar um modelo mental que vai lhe proporcionar mais tempo, permitindo estabelecer prioridades,visualizar o que precisa ser feito,  e administrar o volume de horas diárias.

O “descarregar” consiste em tirar da cabeça qualquer tipo de “coisas a fazer” e colocá-las em alguma ferramenta ou aplicativo de produtividade de sua escolha, e que melhor se encaixe em seu estilo e realidade (agenda, caderno, agenda eletrônica, calendário, etc). Você pode começar, por exemplo, pegando uma folha de papel, dividindo-a ao meio e escrevendo pessoal e profissional nas partes respectivas.

Começando pela parte pessoal, pense em todas as tarefas que estão pendentes e ainda ocupam a sua cabeça e escreva cada uma delas de forma bem específica (“arrumar a porta da cozinha” em vez de “arrumar a cozinha”, por exemplo). Siga o mesmo procedimento em relação á sua vida profissional, e, também de forma bem detalhada, transfira todas as pendências da cabeça para o papel.

Com sua lista pronta, veja as tarefas que devem ser feitas nos próximos dias e anote-as na agenda, riscando dessa folha. Faça isso até que todas as tarefas pendentes tenham sido eliminadas. Você pode deixar essa folha anexada á sua agenda. É importante que você coloque apenas atividades que devem ser  feitas nas próximas 24 horas ou durante a semana, para evitar que você se frustre e se desestimule com uma lista muito extensa e o situará em relação ás coisas realmente mais importantes e e prioritárias que devem ser executadas.

2 – Planejar

O planejamento pode ser feito com muito mais facilidade depois que sua mente estiver descarregada. O planejamento é a melhor forma de ganhar tempo, pois nos ajuda a ter uma visão daquilo que deve ser feito e de como será feito, de forma a reduzir riscos e prever resultados.

Muitas pessoas resistem á ideia de planejar por acreditarem que o planejamento limita sua liberdade e transforma a  vida num processo mecânico. Não é bem assim. O segredo é transformar o planejamento num processo natural, o que já fazemos desde que nascemos.

Por exemplo, ao sair para um jantar, você pensa no lugar, na roupa que vai usar, nas pessoas que irão com você, no horário que pretende chegar – tudo isso faz parte do planejamento natural. Se você foi informado de um acidente de transito em seu trajeto habitual para o trabalho, imediatamente pensa numa rota alternativa. Quantas coisas acontecem dessa forma e você nem percebe que está planejando, priorizando e organizando sua rotina de forma natural.

O segredo, portanto, é transformar o planejamento em algo natural, automático, que possa fazer parte de sua vida sem esforço. Pessoas mais criativas e extrovertidas podem ter mais dificuldades em planejar e até se sentirem tolhidas ao fazê-lo. Mesmo nesse caso, porém, é possível planejar de forma espontânea, que não limite a sua criatividade, descobrindo a forma que funcione melhor para cada um.

3 – Antecipar

Uma das formas mais frequentes de entrar em estado de estresse é deixar uma tarefa importante se tornar urgente, assumir compromissos urgentes de qualquer espécie ou adiar e postergar tarefas que mais cedo ou mais tarde terão que ser executadas.

Esse, porém, é o comportamento típico de pessoas que gostam de deixar tudo para a última hora, das pessoas que subvertem o ditado popular e nunca fazem hoje o que podem deixar para a manhã. E quase sempre esse amanhã será de muito desgaste e estresse. É aqui que entra o conceito de antecipação – extremamente ligado ao principio de descarregar e planejar.

Se você tem, por exemplo, uma apresentação marcada para quinta-feira (porque descarregou suas preocupações para a agenda), porque não prepará-la na terça ou na quarta-feira? Assim, se algum problema sobrevier você ainda terá tempo de conclui-la antes do prazo final e da hora agendada.

Antecipar, na realidade, é conceito simples e óbvio, mas que muitas vezes é esquecido ou negligenciado. Antecipe tudo o que acha que pode dar problemas e contem sempre com os imprevistos, de forma a reduzir as urgências e concentrar seu foco nas coisas importantes.

4 – Priorizar

Priorizar significa ordenar a execução de suas tarefas e compromissos de acordo com a sua urgência e importância. Quando você faz determinada tarefa e deixa outra de lado, está na verdade priorizando uma em detrimento da outra. O que você fez, naquele momento, é mais importante do que a outra tarefa que deixou para depois.

Muitas metodologias (Brian Tracy,,autor de “Eat That Frog”, por exemplo, a defende)n sugerem que você priorize suas tarefas em dois critérios: o critério alfabético (ABC) e por ordem de execução (Al, A2, B1, B2, C1,C2…).

A priorização ABC pede que você agrupe as tarefas por letras, segundo o grau de importância: A para tarefas de alta prioridade, que devem ser feitas hoje de qualquer m,aneira; B para tarefas que também são importantes mas que não precisam necessariamente ser concluídas hoje e podem ser feitas amanhã sem maiores problemas; e C para aquelas que podem ser feitas amanhã ou em qualquer outro dia da semana.

O problema é que esse critério pode resultar numa grande perda de tempo, levando as pessoas a optarem pelas tarefas C (quase sempre mais fáceis e mais curtas) em detrimento das tarefas mais importantes. Se algo não precisa ser feito hoje, não precisa ser priorizado e colocado numa lista. É preferível chegar ao fim do dia com uma lista de prioridades concluída do que com uma longa relação de tarefas intocadas ou sistematicamente adiadas.

Em Tríade do Tempo, Christian Barbosa defende a utilização do critério numérico, por ordem de importância (sendo 1 o mais importante). Parece um detalhe irrelevante, mas, na verdade, essa forma é bem mais simples e objetiva: você coloca apenas números para as tarefas, na sequencia em que devem ser feitas.

Priorizar faz toda a diferença. Tendemos a priorizar as urgências ou as tarefas circunstanciais e deixar de lado as tarefas mais importantes. Ás vezes, as urgências devem ser atacadas prioritariamente em função do problema, mas não devemos deixar que isso se torne uma rotina simplesmente por falta de planejamento.

É importante estabelecer as prioridades com base no ambiente ou na situação (o que David Allen chama de “contexto”). O que você tem condições de fazer no momento e no local em que se encontra? Você tem acesso a um computador ou a um telefone? A pessoa com quem você precisa falar está presente ou está próxima?

Não adianta preocupar-se com o que você não pode fazer em razão do ambiente ou da situação. Apenas priorize outra coisa possível de ser feita no local em que se encontra.Por exemplo, se você priorizou suas ligações para o final do dia, mas está no saguão do aeroporto esperando o seu voo e com seu celular disponível, que tal antecipar as ligações para aproveitar a oportunidade?

5 – Equilibrar

A coisa mais divina que há no mundo é viver cada segundo como nunca mais – Vinicius de Moraes

Em última análise, o objetivo de administrar o tempo é ter uma vida mais equilibrada. Isso significa aproveitar a vida em sua totalidade, sem transformá-la em uma rotina mecânica, destinada a uma função específica.

Ás vezes nos dedicamos demais á profissão ou a qualquer outra coisa e nos esquecemos ou negligenciamos os nossos relacionamentos, a nossa saúde, a nossa cultura, o nosso lazer – esquecemos, enfim, de reservar algum tempo para o relaxamento e a reflexão. Quanto tempo faz que você não concede algumas horas para si mesmo?

A busca do equilíbrio deve ser o principal objetivo da administração pessoal. Equilibrar seus corpos (físico, mental e espiritual) em função do que é importante para você, de forma a dosar o tempo ao trabalho, ao lazer, á família,  a tudo que realmente lhe traz a sensação de que o dia valeu a pena. O estresse surge quando esses corpos estão desequilibrados, quando um está contaminando ou está sendo mais trabalhado do que o outro.

Assim, ao planejar e priorizar as suas atividades, não esqueça de se perguntar se elas estão de acordo com aquilo que lhe traz equilíbrio

 

 

Como Implementar Decisões com o “Se/Então”

Decisões 3 Blog

Num mundo cada vez mais cercado de distrações (emails, redes sociais,etc), e também por perseguirmos vários objetivos ao mesmo tempo, as vezes perdemos as oportunidades de agir apenas por que não somos capazes de perceber quando elas aparecem.

Será que realmente você não teve tempo de se exercitar hoje? Não teve de fato oportunidade de retornar aquela ligação ou de responder aquele e-mail importante? Alcançar seu objetivo e atingir suas metas significa agir quando as oportunidades surgem, antes que elas lhe escapem por entre os dedos.

Quando isso ocorre, as pessoas  costumam  atribuir a culpa à força de vontade (ou melhor, à falta dela). Ocorre que a força de vontade é como um músculo que necessita ser exercitado,  mas também necessita de um descanso para não atrofiar.

Para não deixar o momento certo passar, devemos decidir antecipadamente o que vamos fazer, sendo o mais especifico possível (“segundo, quarta e sexta vou me exercitar por 30 minutos antes de ir trabalhar”). Estudos (1) revelam que esse tipo de planejamento ajuda o cérebro a detectar e aproveitas as oportunidades quando elas surgem, aumentando as chances de sucesso em cerca de 300%.

Para sermos mais produtivos de fato, é preciso encontrar um meio de lidar com as distrações e interrupções e de como realizar as várias ações que precisam ser feitas – e felizmente há uma estratégia muito fácil e de eficácia comprovada para resolver esse problema.

Decisões blog

Em seu livro “9 Atitudes das Pessoas Bem-Sucedidas”, a psicologa social, palestrante e escritora Heidi Grant Halvorson fala do plano se/então, uma forma extremamente eficaz de alcançar qualquer objetivo, simplesmente decidindo antecipadamente o que pretende fazer (Ex; “se são 16 horas, então vou responder as ligações recebidas…..os e-mails pendentes”, etc)

Esses planos funcionam porque são escritos na linguagem que o seu cérebro entende: o das possibilidades. Como você já decidiu antecipadamente o que precisa ser feito, pode executar o plano sem ter que pensar conscientemente nele ou perder tempo decidindo o que fazer em seguida e sem depender de força de vontade. Os planos assumem então a seguinte forma:

” Se X acontecer, então vou fazer Y”) 

Um estudo (2) analisou o comportamento de pessoas que tinham por objetivo ir a academia regularmente. Foi solicitado que metade dos participantes planejasse quando e por quanto tempo fariam os exercícios físicos. Os resultados foram impressionantes: semanas mais tarde,o estudo constatou que 91% dos que fizeram o pleno do se/então  ainda se exercitavam regularmente, em comparação com apenas 39% dos que não o fizeram.

Resultados semelhantes foram registrados com o público feminino,  com outros comportamentos ligados á saúde, como se lembrar de fazer o autoexame de mama mensalmente (100% contra 53%, respectivamente) e de se submeter ao exame para detecção do câncer de colo do útero (92% contra 60%).

COMO COLOCAR EM PRÁTICA O PLANO DO SE/ENTÃO

Decisões dificeis Blog

  1. Identifique uma ação fundamental que você precise realizar para alcançar seu objetivo.
  2. Quando e onde você deveria executá-la?  Em que contexto e em qual situação?
  3. Preencha as lacunas: Se (ou quando)…………………… então……………………………….(Ex: se são 8 horas de uma segunda-feira, então vou sair para caminhar)
  4. Agora pense num obstáculo que talvez possa atrapalhar seus planos: uma interrupção, uma distração, ou qualquer outro fator que venha a interferir em seu progresso)
  5. Quando a tentação ou distração aparecer, como você vai lidar com ela?
  6. Preencha então as lacunas: Se ou quando…………. então……………………………….(Ex: se planejar sair do trabalho às 17 horas e receber algum e-mail, então vou desativar meus avisos de mensagens às 16:45 horas Se estiver chovendo e não puder sair para caminhar, então vou praticar exercícios abdominais em casa)

Enfim, se você sente que tarefas importantes estão sendo deixadas de lado e que precisa adquirir hábitos melhores de gerenciamento do tempo, para de buscar recursos mirabolantes e procure planejar algo simples.

Ao usar planos do se/então para atingir seus objetivos, você não vai adicionar mais horas ao seu dia, mas a sensação será exatamente essa.

Referências:

l) “GOLLWITZER, Peter M, SHEERAN, Pascahl “Implementation Intentions and Goal Achievement: A Meta Analysis of Effects and Processeses’ Advances in Experimental Psychology 38 (2006) – 69-119

2) MILNE Sarah, ORBELL Sheina, SHEERAN, “Combining Motivational and Volitional Interventions to Promote Exercise Participation: Protection Motivation “Theory and Implementation Intentions”. British Journal of Health Psychology 7 , nr. 2 (Maio de 2002 – 163 – 184.

 

Produtividade: Porque Muitas Listas de Tarefas Não Funcionam

to-do-list

Quantas vezes você se vê frustrado quando, após um árduo dia de trabalho, vê uma longa lista de tarefas pendentes à sua frente? E com aquela tarefa que, dia após dia, permanece em sua lista sem ser concluída?

Ironicamente, as listas de tarefas, ou “to-do lists”, como são chamadas em Inglês, que deveriam ser um instrumento de organização e de aumento de produtividade, terminam se transformando em um motivo de desânimo e frustração.

O problema não está nas listas em si, mas na maneira como elas são organizadas. Alguns exemplos:

1 – Elas são muito longas

As pessoas costumam colocar muitas coisas em suas listas, sem distinguir uma tarefa de um projeto. Não é incomum ter coisas como “passar na padaria para comprar pão” e “elaborar a monografia”, por exemplo.

A primeira é uma tarefa, mas a segunda é um projeto, que exige mais tempo e mais de um passo para a sua execução.

2 – Não consideram o contexto em que serão realizadas

De que adianta relacionar uma tarefa que deve ser feita na rua se você está em seu local de trabalho onde deve permanecer por oito horas?

Esse é um dos problemas mais comuns e que resultam em listas longas e improdutivas, culminando com a frustração de vermos um grande numero de coisas não concluídas ao final do dia.

3 – Não avaliam o tempo de sua duração

Por melhor que seja o nosso planejamento, não temos como prever como será o dia e os imprevistos e emergência que poderão surgir no caminho. Entretanto, as pessoas costumam criar listas com muitos afazeres, sem estimar a sua duração nem alocar tempo na agenda para as emergências.

Como fazer uma lista de tarefas que funcione.

to-do-list-2

1 – Faça listas distintas para compromissos, projetos e tarefas

Tarefas são aquelas que podem ser realizadas num mesmo dia e exigem uma única providência para sua realização. Compromissos são aqueles com data e hora marcadas (consultas médicas,  reuniões, etc) e devem estar na sua agenda ou calendário. Já os projetos, segundo definição do David Allen, em seu método GTD – Getting Things Done (ou Faça as Coisas Acontecer, em sua tradução em Português) são tudo aquilo que não pode ser concluído com uma tarefa, e exige mais de uma ação para sua conclusão.

Os projetos com os quais você ainda não se comprometeu, e ainda não definiu ou identificou a ação necessária, devem figurar numa categoria de “algum dia/talvez”, “projetos futuros”, para serem examinados posteriormente, na revisão semanal de sua lista.

2 – Utilize verbos de ação

Não é incomum vermos listas com coisas imprecisas que não esclarecem o que deve ser feito. Uma lista com onde está escrito apenas “mamãe”, por exemplo, não permite saber qual a ação requerida: é o aniversário dela e você tem que lhe fazer uma ligação? É a compra do presente?

Assim, use sempre verbos de ação (escrever, comprar, agendar, ligar para etc), que lhe permitam identificar claramente a próxima ação.

3 – Elabore as tarefas por contexto

Faça listas distintas para o que você vai fazer no trabalho, na rua e em casa ou no computador. Se você utiliza agenda ou caderno de anotações isso dá um pouco mais de trabalho, porque te obriga a carregar a sua agenda para onde for.

Assim, a melhor opção seria uma agenda eletrônica que permita a sincronização com smart fone ou tablete, como o Todoist, Toodledo e Wunderlist, todos gratuitos.

Assim, quando estiver no trabalho, consulte a sua lista especifica para aquele local. Ao sair no carro, veja o que tem de fazer na rua, e ao chegar em casa, consulte as tarefas que serão realizadas em seu computador.

4 – Faça sua revisão semanal

Essa é uma das providências mais importantes,mas que  não exige mais de 15 minutos.e deve ser feita no final de semana, aos sábados ou no final do domingo, conforme a sua preferência e disponibilidade..

Verifique a sua agenda para a próxima semana, as tarefas pendentes, as próximas ações de seus projetos, e distribua as respectivas ações ao longo da semana, priorizando aquelas mais importantes, de forma a não  relacionar mais do que cinco tarefas por dia.

Para isso, é indispensável que você mantenha um pequeno caderno de anotações que possa ser carregado no bolso, onde deve anotar todos os “insights” que aparecem ao longo do dia, todos os assuntos que estão “pipocando” em sua cabeça, e depois transportá-los para uma lista mestra, num caderno ou folhas de papel, para lhe dar o tratamento adequado na revisão semanal.

O Milagre da Manhã – Uma Resenha

O Milagre da Manhã

 

Aos 20 anos de idade, numa fase em que a maioria dos jovens ainda busca o primeiro emprego, Hal Elrod já era uma dos representantes de vendas mais destacados da empresa de marketing em que trabalhava, batendo sucessivos recordes de vendas e ganhando muito mais dinheiro do que poderia imaginar naquela idade. Tinha um bom círculo de amigos, uma bela namorada, um Ford Mustang novinho em folha, uma família que o apoiava – tudo, enfim, que poderia ser considerado uma vida abençoada.

Tudo começou a mudar na noite de 3 de dezembro de 1999 quando, ao retornar de um restaurante com sua namorada, o carro de Elrod colidiu de frente com uma caminhonete picape Chevy rodando a cerca de 130 km por hora, do que resultou na destruição parcial de seu tecido cerebral, além de  fraturas generalizadas no braço e no fêmur.

Atendido pela equipe de resgate que o conduziu num helicóptero, Elrod foi considerado clinicamente morto por 6 minutos, quando, finalmente, os paramédicos conseguiram fazer seu coração voltar a bater. Ele passou seis dias em coma e despertou com a noticia de que jamais voltaria a andar. Depois de sete semanas de reabilitação no hospital, reaprendendo a andar, foi liberado para voltar para casa, com 11 ossos fraturados, danos cerebrais permanentes e uma ex-namorada, que terminou o romance ainda no hospital.

Essa história e seus desdobramentos estão descritas no livro “O Milagre da Manhã” (The Miracle Morning , em sua versão original em Inglês). no qual Hal atribui sua milagrosa recuperação primeiro á auto responsabilização, recusando-se a atribuir a terceiros a responsabilidade pelo seu futuro,  e decidindo, ele próprio, assumir os destinos de sua vida daí por diante.

Mas, segundo o autor, o  fator determinante do seu sucesso posterior como requisitado palestrante, Coach profissional e autor de livros de autodesenvolvimento, foi o conjunto de seis práticas diárias que passou a seguir nas primeiras horas da manhã, as quais denominou salvadores de vida, cada uma delas desenvolvendo um ou mais dos aspectos físicos, intelectual, emocional e espiritual, detalhadas a seguir

Você precisa acordar toda manhã com determinação se vai para a cama com satisfação – George Lorimer

O primeiro ritual que você faz no dia é o ritual com maior alavancagem, de longe, pois ele tem o efeito de configurar sua mente e de configurar o contexto para o resto do dia – Eben Pagan

 

Os Salvadores de Vida

Sucesso é algo que você atrai pela pessoa em quem se torna -Jim Rohn

Uma vida extraordinária consiste em melhoras diárias e contínua nas áreas que mais importa – Robin Sharma

 

 

O Milagre da Manhã 2

 

1 – O Silêncio – 5 minutos

O silêncio é a primeira atividade matinal e pode ser uma das mais importantes para melhorar nossos estressantes estilos de vida, marcados pela pressa, agitação e distrações de toda ordem no ritmo frenético dos dias atuais. . Por isso, Elrod recomenda que, se você quer reduzir os níveis de estresse e começar o dia com a clareza e paz de espirito que lhe permitirão permanecer concentrado no que é mais importante, deve fazer o oposto do que a maioria das pessoas faz e iniciar suas manhãs com um período de silencio intencional, por cerca de cinco minutos.

Algumas das atividades recomendadas para praticar no período de silêncio, sem uma  ordem específica, mas preferentemente inciadas pela meditação, incluem as orações, reflexão, prática da respiração profunda, e o sentimento da gratidão.

Para a pratica da meditação, é importante que você não permaneça na cama e que, preferivelmente, saia do quarto para não cair na tentação de mergulhar de volta ao sono. Encontre um lugar silencioso e confortável para sentar – no sofá, em uma cadeira, no chão ou em uma almofada  – e comece concentrando-se em sua respiração.

Respire profunda e demoradamente, inspirando pelo nariz e expirando pela boca, e assegure-se de que esteja respirando com a barriga e não com o peito. A respiração mais eficaz deve fazer com que sua barriga se expanda – não o seu peito.

Esteja ciente de que, enquanto tenta acalmar sua mente, muitos pensamentos ainda a ocuparão. Apenas os reconheça e depois deixe-os ir embora, sempre concentrando sua atenção na sua respiração. Lembre-se de que esse é um momento para abandonar a necessidade compulsiva de estar pensando em algo. É um momento para abandonar o estresse e parar de se preocupar com os problemas.

Pense na meditação diária como férias temporárias de seus problemas. É um momento para estar em paz, experimentar gratidão, e de se libertar do estresse e das coisas que nos preocupam no cotidiano. Sim, seus problemas continuarão existindo quando você terminar a meditação diária, mas você descobrirá com o tempo que está muito mais centrado e muito mais equipado para solucioná-los.

2 – Afirmações – 5 minutos

É a repetição das afirmações que leva á crença. Quando essa crença se torna uma convicção profunda, as coisas começa a mudar – Muhammad Ali

Você será um fracasso até gravar no subconsciente a convicção de que é um sucesso. Isso é realizado fazendo uma afirmação, a qual dá um estalo – Florence Scovel Shinn

 

Afirmações são uma das ferramentas mais eficientes para se tornar a pessoa que você precisar ser para conquistar o que deseja na vida. As afirmações permitem que você projete e desenvolva o estado mental (pensamentos, crenças, concentração) de que precisa para levar qualquer área de sua vida para o próximo nível.

Grande parte dos nossos pensamentos é inconsciente, ou seja, não escolhemos conscientemente o diálogo. Em vez disso, permitimos que nossas experiências passadas – tantas as boas quanto as  ruins – passem de novo. Isso não é  apenas normal, é um dos processos mais importantes que cada um de nós deve aprender a dominar. Contudo, poucas pessoas assumem a responsabilidade de escolher ativamente elaborar pensamentos positivos e proativos que possam agregar valor ás suas vidas.

Seu diálogo interno exerce uma influência dramática sobre seu nível de sucesso em todos os aspectos de sua vida – saúde, felicidade, riqueza, relacionamento, etc. Suas afirmações estarão trabalhando a seu favor ou contra você, dependendo de como as estiver utilizando. Se você não projeta e não escolhe conscientemente suas afirmações,. estará sujeito a repetir os medos, as inseguranças e as limitações de seu passado.

No entanto, quando você projeta e escreve ativamente suas afirmações para que estejam alinhadas com o que deseja obter e realizar e compromete-se a repeti-las diariamente – preferentemente em voz alta – elas são gravadas em seu subconsciente. ajudando a transformar a maneira como você pensa e sente, de forma a substituir crenças e comportamentos limitantes por aqueles de que você necessita para obter o que deseja e alcançar o sucesso.

3 – Visualização – 5 minutos

A visualização, também conhecida como visualização criativa ou ensaio mental, refere-se á prática de buscar gerar resultados positivos em seu mundo exterior usando a imaginação para criar imagens mentais de comportamento e resultados esperados e é utilizada com frequência por atletas profissionais para melhorar o desempenho. A visualização consiste em imaginar exatamente aquilo que você deseja realizar e, depois, ensaiar mentalmente o que precisa fazer para alcança-lo.

Muitas pessoas de sucesso, aí incluídas celebridades como Bill Gates, Arnold Schhwarzeneger, Tonny Robbins, Tiger Woods e Jim Carrey, entre outros, defendem a prática da visualização e atribuem a ela grande parte de seu sucesso. Um exemplo famoso é o de Carrey, que preencheu para si mesmo um cheque de 10 milhões de dólares.

Ele datou o cheque para o “Dia de Ação de Graças de 1995” e acrescentou o lembrete “por serviços de atuação desempenhados”, visualizando o cheque durante anos. Em 1994, recebeu 10 milhões de dólares pelo papel principal em Debi & Loide: Dois Idiotas em Apuros;

A maioria das pessoas comuns, contudo, é limitada por visões do passado, repetindo fracassos e desgostos anteriores. A visualização positiva, ao contrário, se concentra no futuro, habilitando a sua mente para projetar a sua visão de futuro, que seja estimulante, criativo, desafiador e sem limites.

Para tanto, o autor recomenda que a pessoa se sente ereto num sofá, respire profunda e lentamente, e, durante cinco minutos, visualize a si mesma vivendo o seu dia ideal, desempenhando todas as suas tarefas com confiança, facilidade e prazer. Visualize seus maiores objetivos, desejos mais profundos, sonhos mais excitantes, capazes de mudar totalmente a sua vida se você os realizasse. Quanto mais vívida for a sua visão, mais estará estimulado a adotar as ações necessárias para torná-la realidade.

4- Exercícios – 20 minutos

Se você não criar tempo para exercícios, provavelmente precisará criar tempo para as doenças – Robin Sharma

 

 

O Milagre da Manha ExerciciosO exercício matinal deveria ser uma das partes mais importantes de seu ritual diário. Quando você faz exercícios todas as manhãs, aumenta a sua energia, melhora a sua saúde, aumenta a confiança, a disposição e o bem-estar emocional. Embora isso não seja novidade para ninguém, a maioria das pessoas inventa desculpas para não exercitar-se, como as conhecidas “simplesmente não tenho tempo” ou “estou cansado demais”.

A grande vantagem de incorporar exercícios á sua rotina diária e nas primeiras horas da manhã é justamente essa: eles são feitos antes que seu dia o desgaste fisicamente, antes que você tenha a oportunidade de ficar cansado demais,  e antes que você tenha um dia inteiro para criar novas desculpas.

5 – Leitura – 10 minutos

Uma pessoa que não quer ler não tem nenhuma vantagem sobre um que não saber ler – Mark Twain

Ler é para a mente o que o exercício é para o corpo e a oração para a alma. Nós nos tornamos os livros que lemos – Matthew Kelly

Ler é a quinta prática dos Salvadores de vida e o caminho mais prático para transformar qualquer área de sua vida.O segredo é aprender com os especialistas, aqueles que já tiveram sucesso naquilo que você pretende fazer. Não reinvente a roda. A maneira mais rápida de realizar tudo o que se deseja é seguir o modelo das pessoas bem sucedidas. Com uma quantidade quase infinita de livros sobre praticamente todos os assuntos, não há limites para o conhecimento que você pode obter através da leitura diária.

Recomendações sobre a leitura

  • Comece assumindo o compromisso de ler pelo menos dez páginas diariamente, o que resultará em uma média de 3.650 páginas por ano, ou a mais ou menos 18 livros de duzentas páginas nos próximos 12 meses.
  • Tenha um objetivo em mente. Antes de iniciar a leitura, a cada dia pergunte a si mesmo: por que estou lendo esse livro? O que desejo obter de sua leitura? Estou competido a terminá-lo e – mais importante – você está comprometido  implementar o que vem aprendendo?
  • Para obter máximo proveito dos livros que lê e facilmente revisitar o seu conteúdo no futuro é importante sublinhar ou circular qualquer coisa que precise ou queira rever e tomar notas nas margens para destacar aquela parte específica (a menos, é claro, que se trate de livros de biblioteca)
  • Raramente podemos internalizar todo o conteúdo de um livro na primeira leitura. Atingir o domínio em qualquer área exige repetição ou a exposição frequente de certas idéias, estratégias ou técnicas, até que elas seja gravadas em sua mente subconsciente.
  • O mesmo se aplica á leitura: dominar técnicas para melhorar sua vida funciona da mesma maneira. Assim, é mais proveitoso reler um livro que você já sabe conter ensinamentos que mudarão sua vida do que ler um livro novo antes de dominar as estratégias do primeiro

6 – Escrever – 10 minutos

A forma recomendada pelo autor é escrever um diário. Ao tirar seus pensamentos da cabeça e registrá-los por escrito, você obtém valiosos insights e inspirações que de outra maneira jamais teria, capacitando-o a documentar suas ideias, descobertas, realizações, sucessos e lições aprendidas e permitindo-lhe identificar áreas de oportunidade, crescimento pessoal e melhoria.

Principais benefícios de se manter um diário

  • Obter clareza: o ato de escrever nos obriga a pensar o suficiente a respeito para compreender o que escrevemos, dando-nos mais clareza para gerar ideias que ajudem a solucionar nossos problemas;
  • Capturar ideias: Manter um diário ajuda a expandir as ideias e evita que se perca as mais importantes em torno das quais poderemos querer agir no futuro;
  • Revisar lições: A utilização de um diário nos permite revisar todas as lições aprendidas;
  • Avaliar e reconhecer seu progresso: É extremamente motivador voltar e reler as anotações em seu diário de um ano atras e avaliar quanto o progresso que fez.

Como implementar o Milagre da Manhã

Quer você ache que pode, quer você ache que não pode, em ambos os casos você estará certo – Henry Ford

Insanidade é fazer todos os dias a mesma coisa e esperar resultados diferentes – Einstein

1 – Estabeleça suas intenções antes de deitar

A primeira chave para despertar é lembrar-se disso: seu primeiro pensamento de manhã costuma ser o último pensamento que você teve antes de ir para a cama.Todos nós tivemos noites em que mal conseguimos adormecer porque estávamos empolgados demais para acordar da manhã seguinte: na véspera de Natal, a noite anterior á festa de seu aniversário, o primeiro dia na escola, o começo de um novo emprego, ou a saída para as férias.Assim que o despertador tocava, você abria os olhos com entusiasmo e empolgação para sair da cama e viver intensamente aquele dia.

Se, ao contrário, seu último pensamento antes de ir para cama foi algo como “Não consigo acreditar que terei que acordar as 6 horas. Vou estar exausto toda a manhã”, o  seu pensamento ao acordar será o de continuar dormindo. Portanto, o segredo é decidir e criar toda noite, de forma consciente, uma expectativa positiva para a manhã seguinte.

2 – Coloque seu despertador no outro lado do quarto

Se você deixa o despertador ao lado da cama, então ainda estará em um estado de sonolência quando o alarme tocar, o que torna o despertar muito mais difícil. Assim, coloque seu despertador o mais longe possível de sua cama, o que o obrigará a deixar a cama e colocar o corpo em movimento. Movimento gera energia e, portanto, quando você se levanta e sai da cama, isso o ajudará naturalmente a despertar.

3 – Escove os dentes

A recomendação parece óbvia – e efetivamente o é. Mas muita gente, antes mesmo de escovar os dentes, costuma acessar o celular em busca de novidades nas redes sociais. Portanto, o simples ato de de ir direto ao banheiro para escovar os dentes e jogar um pouco de água fria no rosto já contribui para elevar o seu nível de motivação ao acordar.

4 – Beba um copo cheio de água

É crucial que a primeira coisa que você faça seja se hidratar toda manhã. Depois de 6 ou 8 horas sem água, seu corpo estará moderadamente desidratado, o que provoca cansaço, e nesses momentos tudo o que as pessoas precisam é de mais água –  e não de mais sono.

5 -Vista suas roupas de ginástica

Por fim, mas não menos importante, vista suas roupas de exercício para que você esteja pronto para sair do quarto e começar imediatamente o seu Milagre da Manhã. Pratique seus exercícios e, depois, faça por merecer a sua chuveirada matinal.

Conclusão

Apesar de, nas páginas iniciais, o autor deter-se excessivamente no relato de seu drama pessoal e nos problemas que se seguiram, além de exceder-se na descrição das maravilhas do chamado Milagre da Manhã, o livro é muito bem escrito, fácil e agradável de ler, e pode ser extremamente útil para os que se dispuserem a seguir o desafio de 30 dias para sua implementação, proposto pelo autor.

Não por acaso, portanto, o Milagre da Manhã figura internacionalmente entre os bestsellers na área de auto-desenvolvimento, e, recentemente lançado no Brasil, já ocupa a segunda posição entre os mais vendidos no ranking da  revista Veja, daí a minha recomendação de sua leitura.


Os Problemas do Perfeccionismo

Perfeccionismo

 

A geração dos chamados millenials, que abrange os nascidos entre 1980 e 2000, é normalmente integrada por jovens incansáveis, desapegados dos modelos convencionais de trabalho, com um senso de urgência na busca pelo sucesso e compromisso com a felicidade profissional – sem ela eles trocam de emprego a qualquer momento e sem olhar para trás.

Olhando por esse ângulo, pode parecer que esses jovens estão muito bem resolvidos na vida e na carreira. Não é o que revela, porém, uma pesquisa recente conduzida pela Associação Americana de Psicologia e publicada no periódico Psychological Bulletin. O estudo revelou que os jovens de hoje estão insatisfeitos e se cobram como nunca para ser bem sucedidos.

Em relação á geração anterior com a mesma idade, eles são 10% mais exigentes quanto ao próprio desempenho e se sentem 33% mais pressionados por resultados e expectativas externas de sucesso. O estudo – realizado entre 41.000 universitários dos Estados Unidos, Canadá e Reino Unidos, entre 1989 e 2016 – mostrou ainda que essa geração é até 16% mais critica em relação á performance dos outros em comparação com duas décadas atrás.

Para os autores do estudo,Thomas Curran, Ph.D em psicologia e pesquisador da Universidade de Bath, e Andrew Hill, da York St.John University, ambas do Reino Unido, o comportamento resulta das mudanças culturais, econômicas e sociais desencadeadas  a partir dos anos 70. A industrialização, a abertura econômica e o sistema baseado na vontade do mercado abriram as portas a uma era dominada pelo individualismo, pela preocupação com o status social e material e caracterizada pela competitividade.

Os pesquisadores citam, por exemplo, uma pesquisa que mostra que para 81% dos americanos nascidos na década de 80 acumular riqueza figura entre as principais metas da vida, índice 20% mais alto do que entre os nascidos nos anos 60 e 70. Essa geração também estaria mais disposta do que os pais a contrair empréstimos e a gastar uma proporção maior de seus rendimentos em artigos de luxo, como uma forma de se destacar em relação aos outros. Esse contexto fomentou a ideia de indivíduos superiores e inferiores, o medo da desaprovação social e a rejeição ao fracasso.

O perigo da comparação nos dias atuais

Perfecionismo 2

 

 

O fenômeno das redes sociais tem papel fundamental no aumento da autocobrança, o que leva as pessoas a projetar uma imagem de si mesmas onde vêm apenas sucesso e felicidade, retrato que muitas vezes não corresponde á realidade, já que não levam em conta o esforço e os fracassos por trás desses resultados. Fica a sensação de que o outro está se dando bem enquanto você permanece estagnado.

O exemplo dos empreendedores que se tornaram milionários antes dos 30 anos, casos de Mark Zuckerberg, do Facebook, e Evan Spiegel, um dos criadores do Snapchat, também contribui para aumentar a pressão, Já que alimentam a ideia de que sucesso, riqueza e poder estão ao alcance de qualquer um que se esforce o bastante para consegui-los – o chamado principio da meritocracia. Mas isso não é necessariamente verdadeiro, sobretudo levando em conta a realidade brasileira. Os exemplos citados são exceções que combinam capacidade com sorte, mas que muitos assumem como padrões de sucesso.

Há ainda a exigência excessiva do mercado de trabalho. Processos seletivos complexos e exigências muitas vezes exageradas no recrutamento de pessoal só contribuem para aumentar a angústia,levando o jovem profissional a achar que está defasado ou despreparado quando, muitas vezes, não teve sequer tempo de acumular referências e o conhecimento exigido.

Os efeitos na saúde

A soma da autocobrança excessiva e a falta de maturidade para lidar com a frustração também produz efeitos devastadores sobre a saúde e autoestima, prejudicando o crescimento profissional, sobretudo porque muita autocritica e autocobrança nem sempre se reflete em mais eficiência. Ao contrário, o perfeccionista evita errar a qualquer custo e,com isso, ao protelar o que precisa ser feito, acaba deixando de mostrar o seu potencial, sem obter o destaque e o reconhecimento profissional que almeja.

Não por acaso, ansiedade, depressão, insônia, burnout, transtornos alimentares e abuso de medicamentos se tornam mais recorrentes entre os jovens. No limite extremo, essa geração acaba atentando contra a própria vida. No Brasil, o numero de pessoas de 15 a 29 anos que cometeram suicídio subiu 37% entre 1990 e 2014, passando de 4,1% (em 100 mil jovens) para 5,6%, de acordo com o Mapa de Violência 2017, estudo publicado anualmente com base em informações oficiais sobre mortalidade do Ministério da Saúde, taxa equivalente á do Reino Unido.

Indícios de que você está passando do limite

Analisar o próprio desempenho é o melhor caminho para saber se não está pegando pesado demais, como se vê nos exemplos a seguir:

1 – Sensação de que ninguém valoriza seu esforço

Você passou o dia inteiro preparando um relatório que lhe foi pedido pelo seu chefe, que o lê até a metade e se diz satisfeito com o trabalho. A sensação pode ser de que você se dedica mais do que a empresa merece ou a de que ali impera a lei do menor esforço.

A mensagem real, no entanto, tem a ver com identificar prioridades. Gastar horas numa tarefa e ir além do que foi solicitado, apenas com o objetivo de impressionar, não é nada mais do que perda de tempo, já que de nada adianta entregar algo com qualidade mas sem utilidade, ou como dizia Peter Drucker, o guru da Administração, “não há nada mais inútil do que fazer excepcionalmente bem feito algo coisa que simplesmente não precisa ser feito

2 – Só joga para ganhar

O erro faz parte de qualquer processo de desenvolvimento profissional. Mas para quem se cobra demais, fracassar significa voltar várias casas no jogo e recomeçar do zero.  Movido pela ansiedade de acertar – mas muitas vezes sem ter as ferramentas necessárias para isso – é comum a pessoa autoexigente travar, procrastinar, deixa de agir e de entregar resultados, perdendo, assim, a oportunidade de se destacar ou aprender algo novo.

3 – Pensar demais em vez de agir

A atividade mental excessiva pode se tornar uma inimiga perigosa. Remoer pensamentos constantemente, planejar á exaustão e questionar demais rouba tempo e energia que poderiam ser direcionadas para a ação. Em outras palavras, pare de pensar demais e comece a agir em direção ao que pretende alcançar. Na maioria das vezes, detalhes e ajustes podem ser feitos com os projetos em andamento.

4 – Trabalhar em equipe é um pesadelo

O perfeccionista tende a ser intolerante com as falhas alheias – ainda que não tão implacável em relação ás próprias – e teme ser julgado pelo trabalho feito pelos outros, preferindo correr o risco de assumir mais do que é capaz de realizar. Com isso, tem dificuldades para delegar e frequentemente se vê sobrecarregado – o que é um tiro no pé porque acaba sendo um obstáculo para cumprir tarefas com eficiência.

5 – O foco é negativo

A tendência de ampliar a importância do que não deu certo ou que não saiu como esperado é uma característica de quem se cobra demais. Para neutralizar isso, tente um exercício simples, sendo absolutamente honesto em sua avaliação. Ao final do expediente, liste os pontos altos e baixos daquele dia de trabalho, uma reunião com a equipe, uma conversa com o chefe, uma entrevista,um relatório entregue no prazo, tudo entra no balanço. É muito provável que você se surpreenda com o fato de que há menos coisas com que se preocupar do que você imaginava a principio.

 

 

 

Como Saber a Hora Certa de Fazer Qualquer Coisa?

Quando Os Sewgredos do Timing Perfeito

 

Na parte da tarde, a quantidade de gente que lava as mãos nos hospitais cai drasticamente e os anestesistas ficam três vezes mais propensos a cometer erros do que no período da manhã. É melhor não agendar uma cirurgia nesse período, portanto. Também não é um bom momento para reivindicar um reajuste salarial. Após o almoço, as pessoas se tornam menos amigáveis em relação ás outras, quando diminuem a felicidade o os demais sentimentos positivos.

Qual o melhor momento para abordar o seu chefe para pedir um aumento? Existe uma hora menos difícil para solicitar aquela promoção ou para se demitir? E quando marcar encontros importantes ou agendar viagens? Para responder a essas e outras questões, o americano Daniel H. Pink, autor do livro Motivação 3.0, analisou mais de 700 pesquisas na área de economia, anestesiologia, antropologia, endocrinologia, e psicologia social.

Pink descobriu que, assim como o sobe e desce das marés, existe um tempo ideal para fazer tudo. As conclusões de sua pesquisa estão compiladas no seu mais recente livro Quando – Os Segredos Científicos do Timing Perfeito, cujas principais destaques relacionamos a seguir:

As três etapas da produtividade

Nossas habilidades cognitivas mudam, de forma significativa, ao longo do dia. e são marcadas por três estágios: o pico, a baixa e a recuperação. No momento do pico, que para muitas pessoas ocorre pela manhã, nos estamos mais focados, nos distraímos menos e realizamos bem tarefas que exigem maior atenção, como escrever ou analisar dados.

Na baixa, que geralmente ocorre no período da tarde, é melhor realizar tarefas administrativas ou rotineiras. E na fase de recuperação, que na maioria das vezes vai do final da tarde até o inicio da noite, somos mais receptivos a ocupações criativas, pois estamos abertos e bem-humorados. Para uma pessoa noturna, que acorda e dorme tarde, o processo difere bastante e é provável que ocorra de forma inversa – o melhor momento para trabalhar em serviços analíticos, nesse caso, ocorreria no começo da noite.

As tardes são o nosso “Triangulo das Bermudas”

A ciência aponta que o inicio e o meio da tarde são os períodos mais perigosos. Na área da saúde, por exemplo, os erros de anestesia são três vezes mais prováveis de ocorrer 15 horas do que as 9 horas.  Médicos cometem mais erros na prescrição de remédios. Nas escolas, as notas dos alunos são menores quando as provas são aplicadas na parte da tarde. Nas empresas, a qualidade do trabalho cai nesse horário, quando também aumenta a proporção de acidentes de carro.

O aspecto critico da fase intermediária

A fase da meia-idade é um exemplo disso. Há evidencias de que nosso bem-estar é mais alto quando temos de 20 a 30 anos, começa a declinar aos 40 e atinge o seu ponto mais baixo aos 50, para voltar a subir quando chegamos aos 60 ou 70 anos. Contudo, esses pontos médios podem ter efeito contrário. Connie Gersick, pesquisador de comportamento organizacional, descobriu que as pessoas realizam projetos de maneira não linear, fazendo bem pouco no começo e apenas em determinada hora começam de fato a trabalhar.

Quando isso acontece? No ponto médio do tempo, o que quer dizer que, num projeto de 34 dias para ser finalizado, a equipe ira procrastinar ate por volta do metade do 17 dia. Se o prazo for de 11 dias, elas vão começar r a produzir no sexto. Alguns desses momentos de virada são extremamente motivadores. Pesquisas com os jogos de basquete da NBA mostraram que times que estão vencendo depois do intervalo têm mais chances de ganhar a partida – o que não é nenhuma surpresa , já que estão na frente.

Porém, se o time estiver perdendo por apenas l ponto de diferença, ele terá mais chance de virar o jogo e sair vitorioso. Alguns estudos indicam  que estar um pouco atrasado nos pontos médios faz com que as pessoas trabalhem mais e de forma mais inteligente.

Existe algum segredo para produzir mais o dia inteiro?

É praticamente impossível ser produtivo o tempo todo, já que nosso poder cerebral muda ao longo do dia. Então, o mais importante é fazer o trabalho certo na hora certa. Um dos modos de aumentar o foco é realizando pausas, em especial com outras pessoas, e se mover em vez de ficar parado. Fazer intervalos é essencial para restaurar o nosso humor e capacidade mental.

Para isso, devemos fazer trabalhos que exigem foco e poder de análise. Depois do meio-dia, as tarefas administrativas como responder a e-mails, pois a nossa criatividade está mais baixa. E durante a recuperação, nos preparar para as tarefas mais abstratas como brainstorming.

A importância dos intervalos na jornada de trabalho

A ciência dos intervalos está onde a do sono se encontrava há 15 anos. Naquela época, acreditávamos que quem ficava acordado a noite inteira era um super-herói. Agora sabemos que não. Pesquisas recente mostram que pular o tempo livre é idiotice. Os períodos de descanso não são um desvio de produtividade, mas, ao contrário, fazem parte de um bom desempenho.

Precisamos agendar o descanso da mesma forma que agendamos reuniões. As pausas não precisam ser longas: 10 ou 15 minutos são suficientes. Além disso, nesses momentos é melhor estar acompanhado do que sozinho: melhor estar fora do que dentro da empresa,  e são mais eficientes no período da tarde, embora sejam úteis o dia inteiro.

Se as pessoas têm diferentes horários de pico, faz sentido algumas empresas exigirem que os funcionários comecem o expediente cedo?

Talvez seja uma herança da economia agrônoma, na qual acordar ao amanhecer para cuidar dos animais era importante. Ou talvez os chefes sintam que as pessoas não estão trabalhando se elas não as verem todos os dias. Mas isso prejudica as empresas, que deveriam levar em conta o desempenho – e ninguém produz da mesma forma no mesmo período.

O mesmo critério deveria ser observado nas reuniões. O modo como as organizamos é ridículo. Usamos apenas um critério: a disponibilidade. Quem está disponível? A sala está vazia? Em vez disso, deveríamos nos perguntar: esse assunto requer pensamento analítico ou criatividade? Ou é meramente administrativo? Quem estará no encontro? São pessoas que trabalham melhor de manhã ou no fim do dia? Precisamos marcar essas conversas de forma estratégica – não logística.

Se há uma hora certa para tudo, qual o melhor momento de pedir um aumento?

O ponto aqui é entender como humanos tomam decisões. Na maioria dos casos, elas são tomadas tendo como base uma resposta-padrão, que quase sempre é “não”. Quando estamos mais dispostos a quebrar esse padrão? No começo do dia e imediatamente após os intervalos. Assim, suas chances de conseguir um aumento aumentam substancialmente se você falar com seu chefe assim que o expediente começar ou depois de um intervalo.

 

 

Produtividade: Os 6 Horizontes de Foco do GTD

Horizontes de Foco - GTD

Em seu livro “A Arte de Fazer Acontecer” (Getting Things Done”, em sua versão original em Inglês, David Allen aborda o que chama de Horizontes de Foco que são os seis níveis em que devemos refletir para revisar o próprio trabalho e definir as prioridades que devem guiar as nossas ações.

Numa analogia com a construção de um edifício ou com a altitude de um avião em pleno voo, ele identifica seis diferentes perspectivas para definir o nosso trabalho diário:

  • Horizonte 5: Propósitos e princípios (50.000 pés);
  • Horizonte 4: Visão (40.000 pés);
  • Horizonte 3: Metas e Objetivos 30.000 pés);
  • Horizonte 2: Áreas de Responsabilidade (20.000 pés);
  • Horizonte 1: Projetos (10.000 pés)
  • Solo (ou térreo): Próximas ações

Numa visão de baixo para cima, cada horizonte representaria:

Horizontes de Foco - GTD 2

 

Solo: Próximas ações

Incluem todas as atividades nas quais devemos nos engajar num nível mais físico ou visível: telefonemas, e-mails, tarefas e compromissos diários. Segundo Allen, se pudéssemos fazer o tempo parar, sem receber mais inputs em nossa caixa de entrada, é provável que tenhamos mais de 100 itens nesse momento para nos engajar. Assim, o trabalhar de fazer um levantamento atualizado das próximas ações exigidas nesse nível já é uma tarefa e tanto.

Horizonte 2: Áreas de Foco e Responsabilidade

Seus projetos e ações são determinados pelas suas funções, seus interesses e responsabilidades que representam as principais áreas de sua vida pessoal e profissional e cujos resultados você quer alcançar ou manter. Seu trabalho pode envolver assuntos como planejamento estratégico, apoio administrativo, desenvolvimento de equipes, pesquisa de mercado, atendimento ao cliente ou gestão de ativos.

Na vida pessoal, todos temos pelo menos essas áreas de foco: saúde, família, finanças, casa, espiritualidade, diversão, educação e autodesenvolvimento, etc. Não são pontos nos quais devemos nos engajar, mas sim adotar como critérios para determinar as nossas ações e manter o equilíbrio e a sanidade física e mental. Listar e refletir sobre todas essas áreas nos oferece uma estrutura mais ampla para avaliar o inventário de nossos projetos pessoais e profissionais.

Horizonte 3: Metas e Objetivos

O que você quer vivenciar na vida pessoal e profissional daqui a três meses ou dois anos? A resposta a essa pergunta pode dar uma nova dimensão ou definição a seu trabalho. Muitas vezes o cumprimento das metas impõe uma mudança no foco, com o surgimento de novas responsabilidades. Nesse horizonte, é provável que você queira realizar coisas que possam acrescentar importância e valor a certo aspectos de sua vida e ao mesmo tempo, reduzir ou eliminar outras tantas que nada lhe agreguem.

Horizonte 4: Visão

Fazer projeções de três a cinco anos costuma gerar novas ideias em categorias maiores: estratégia organizacional, tendências ambientais, transformações na carreira ou mudanças no estilo de vida. Fatores internos incluem aspirações e considerações de longo prazo referentes a carreira, família e qualidade de vida. Já as questões externas são as que podem afetar seu trabalho e sua organização, tais como tecnologia, globalização, tendências de mercado e competição, circunstâncias que podem mudar as condições de trabalho em muitos níveis.

Horizonte 5: Propósito e princípios

Este reflete o panorama geral e os valores fundamentais de um individuo ou empreendimento. Por que sua empresa existe? Por que você existe? O que é importante para você, independente do que seja? O propósito fundamental de qualquer atividade fornece a a definição da essência do trabalho, da qual todas as metas, visões, objetivos, ações e projetos são meras decorrências.

Essa analogia com horizontes – e o próprio David Allen reconhece – são um tanto arbitrárias e, na vida real, as conversas que você pode ter sobre foco e prioridade talvez não se encaixem num nível ou noutro. Mas podem servir como uma referência útil para nos lembrar da natureza múltipla de nossas tarefas e compromissos.

Obviamente, muitos fatores devem ser considerados antes de você se sentir confortável para decidir o que e quando fazer. “Estabelecer prioridades” no sentido de concentrar-se nos objetivos e valores de longo prazo, embora seja o cerne da questão, não oferece um referencial prático para a maior parte das decisões e ações do dia a dia. Ao dominar todos os níveis do fluxo de trabalho, você perceberá que o trabalho lhe permitirá ter uma visão mais realista de fazer acontecer e de se sentir bem em relação a isso.

Sua tarefa é descobrir o seu trabalho e, então, com todo o coração, dedicar-se a ele – Buda

Exemplos de cima para baixo e de baixo para cima

Num exemplo de baixo para cima, imagine que você precisa dar um telefonema (próxima ação ou solo) para falar sobre o negócio em que está trabalhando (projeto), que aumentaria suas vendas (áreas de responsabilidade), o que lhe daria a oportunidade de se destacar entre os vendedores (metas e objetivos)  por causa de um novo mercado em que sua empresa quer penetrar (visão) o que o aproximaria do estilo de vida almejado em termos financeiros e profissionais (proposito e princípios).

Num outro exemplo, agora de cima para baixo, você concluiu que quer desenvolver alguns de seus talentos e recursos em determinada área que esteja mais em sintonia com as suas aspirações (proposito e princípios). Então você cria uma empresa (visão), com metas operacionais de curto prazo bem definidas ( metas e objetivos) e, em consequência, assume atribuições para garantir a continuidade e sucesso do negócio (áreas de responsabilidade), com resultados imediatos a alcançar (projetos). Em cada etapa desses projetos, haverá pendências a resolver e ações nas quais se engajar (solo ou próximas ações)

Qual a melhor abordagem?

Segundo Allen, não há um critério rígido e linear para estabelecer prioridades com base nos horizontes de foco. De um perspectiva mais prática, contudo, ele recomenda a abordagem de baixo par cima, controlando primeiro os detalhes do mundo físico para depois se concentrar nos níveis mais amplos e elevados. “Tentar gerenciar de cima para baixo, quando a base está sem controle, talvez seja a abordagem menos eficaz”, diz ele.

Esclareça primeiro o que está atraindo a sua atenção, então você descobrirá o que realmente merece a sua atenção – David Allen

A coisa mais importante com que lidar é aquela que está ocupando a sua cabeça, sendo irrelevante achar que um determinado assunto não deveria ocupar espaço em sua mente. Comprar comida para o gato talvez não seja prioridade em nenhuma lista de tarefas, mas se esse item for o que mais o perturba no momento, trate logo dessa questão. Depois de cuidar do que esta atraindo sua atenção, você passa para o que realmente merece a sua atenção.

Quase sem exceção, segundo Allen, os executivos costumam ser mais contaminados pelos detalhes do trabalho cotidiano – reuniões,-e-mails, viagens, projetos em andamento, etc . Quando começam a retomar o controle, suas atenções se voltam para as áreas de foco e interesse, a partir de uma perspectiva mais ampla -família, carreira e qualidade de vida.

Portanto, não se preocupe em saber qual horizonte ou assunto é mais importante. Lide com o que o incomoda no presente, o que vai lhe permitir identificar e abordar com mais eficiências o que de fato é prioridade para você.

O melhor lugar para alcançar o sucesso é onde você está, com o que você tem – Charles Schwab

Assim, embora o Horizonte 5 (propósito e princípios) seja o contexto mais importante para estabelecer prioridades, quando compreendemos e implementamos todos os níveis do trabalho, sobretudo o Solo e o Horizonte 1, temos mais liberdade e recursos para atingir os resultados desejados. A abordagem de baixo para cima é, de uma perspectiva prática, um fator critico de sucesso para uma vida equilibrada, produtiva e confortável.